“Como você organiza suas contas no dia a dia?”

CRÉDITO CONSCIENTE: um meio de pagamento tradicional com um olhar diferente.

 

Cartão de crédito deve ser um direito de todos, que se bem administrado, pode contribuir para um consumo com mais qualidade, como por exemplo, possibilitar uma família de comprar alimentos durante todo o mês sem a necessidade do pagamento à vista.

Mas como oferecer um meio de pagamento sem gerar danos futuros? Vivemos em um contexto em que a negativação é um problema crítico que atinge um número altíssimo de brasileiros.

Defendo que um caminho seguro e responsável do crédito consciente é o estabelecimento de um limite adequado junto com um programa de educação financeira.

O que deve ser esperado ao oferecer um limite de R$2.000,00 para uma pessoa que recebe mensalmente um salário mínimo? A conta dificilmente irá fechar; por isso é preciso fazer a pergunta: “Qual limite do cartão de crédito que meu cliente pagaria com tranquilidade? ”.

Além disso, é importante despertar o interesse para o empoderamento referente a utilização do crédito. Falar de dinheiro é um tabu, falar de problemas financeiros é mais tabu ainda.

Nota-se um distanciamento da população, principalmente de baixa renda, para se falar sobre o tema Educação Financeira.

Muito disso é reflexo de uma crença de que isso é algo para a elite. Por isso, precisamos desmistificar e falar mais sobre consumo e gestão das finanças de uma maneira acessível e simplificada. Afinal, se acesso ao crédito pode ser um direito de todos, educação e liberdade financeira também são.

Sabendo disso e vivenciando o dia a dia da comunidade, desenvolvemos um método de educação financeira que chamamos de DELÍCIA.

Por que DELÍCIA? Porque nosso jeito é:

DIFERENTE * ESPECIFICO * LIBERTADOR * INVESTIGATIVO * CRIATIVO * INSPIRADOR * AMOROSO.

Por meio de atividades descontraídas e muito diálogo apoiamos à reflexão sobre a importância do cuidado com o dinheiro e como isso pode apoiar na realização de sonhos.

É preciso despertar uma intimidade com o tema, de modo que seja percebido que esse não é um bicho de sete cabeças, mas sim, uma oportunidade. Por isso, cabe as empresas terem clareza dos seus impactos, sejam eles positivos como negativos para que os negativos sejam mitigados e os positivos potencializados.

Eduardo Galeado disse que “A primeira condição para modificar a realidade consiste em conhecê-la. ” Sendo assim, se você foi provocado por esse artigo, aconselho como um primeiro passo sair do escritório e procurar conhecer quais são as dores, histórias, sonhos e desafios das pessoas que contribuem para que seu negócio aconteça e a partir daí, buscar soluções que contemplem o bem-estar de todos.

Fonte: Por Julia Drezza, para CollBusiness News, edição de junho-2017.

 

 

 

 

A

2018-02-05T19:52:21+00:0028/01/2018|Projetos Sociais|Nenhum Comentário
Translate »