A força do crediário como alternativa ao cartão de crédito

Lojistas oferecem maiores facilidades e prazo estendido para os clientes ante os juros altos do cartão.
Cadastro Positivo deve facilitar o uso.

As opções de pagamento dos consumidores são incrementadas com a volta do velho conhecido crediário. A tendência se deve à procura dos clientes por formas de pagamento com menores juros em comparação ao cartão de crédito, sem perder o prazo estendido para quitação.

O gerente da Casas Bahia no Shopping RioMar Kennedy, Edkelson Bernardino, explica que a procura pela modalidade cresceu pelo menos 30% nos últimos dois meses e hoje é uma das formas de pagamento mais utilizadas pelos clientes, fazendo frente ao cartão de crédito.

“É uma facilidade que oferecemos aos clientes em comprar parcelado. Por ser um crediário nosso, existe maior facilidade na negociação e um índice muito bom de clientes que o tem como primeira opção de pagamento”, revela.

A aversão dos consumidores ao cartão de crédito se deve às altas taxas. Neste ano, dados do Banco Central (BC) apontam que seis dos oito principais tipos de financiamentos tiveram aumento de taxas, na média de 286,9% ao ano e 315,6% ao ano, em janeiro. Os mais notáveis para o consumidor são as cobranças dos rotativos do cartão de crédito e do cheque especial, que acumulam elevações seguidas de dezembro a fevereiro, conforme os respectivos percentuais médios indicados pelo BC.

Ao comprar um notebook à vista, a autônoma Isadora Pinheiro, 43, conta que não gosta do cartão de crédito pelos altos juros que possui. “Não tenho cartão porque não vale a pena. Acabamos pagando juros muito mais do que o valor do produto”.

Sobre o crediário, ela diz que usou bastante há alguns anos quando a modalidade de pagamento era mais popular e defende um retorno mais contundente do modelo.

Essa volta está acontecendo, já que uma pesquisa realizada pela Multicrédito, plataforma de inteligência de crédito, revela que entre 2017 e 2018 houve crescimento de 54% nos valores médios de compra por meio de crediário.

De acordo com os números, setores como turismo tiveram crescimento de 80% no pagamento por crediários, entre 2016 e o ano passado. Em igual período, compras em lojas de calçados e acessórios tiveram alta de 51%.

Vice-presidente da Multicrédito, Flávio Peralta lista três outros fatores para além dos juros do cartão que impactam no uso maior do crediário. O baixo limite para compras em outros instrumentos de pagamento e o acesso ao crédito para consumidores do mercado informal são apontados.

“Existe uma tendência dos consumidores trocarem o cartão de crédito pelo crediário porque há uma flexibilidade maior por parte do lojista nas operações com crediário”, argumenta.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL Fortaleza), Assis Cavalcante, acredita que a forma de pagamento vai voltar a ganhar o gosto dos empresários com a sanção presidencial do Cadastro Positivo.

“Junto com o Cadastro Positivo, o crediário vai ajudar muito, porque os lojistas vão ter a pontualidade dos consumidores e poderão vender com taxas de juros mais competitivas, já que saberemos quem tem histórico de bom pagador e investiremos nestas pessoas”, avalia.

Diretor de Serviços Financeiros da Via Varejo, empresa dona da Casas Bahia, Fernando Spinelli conta que é observado crescimento constante da modalidade de pagamento em todo País. Ele ainda acrescenta que a rede trabalha para oferecer pagamento em carnê em compras no site e aplicativo da loja.

“O que temos percebido, como principal varejista nesta modalidade no país, é uma demanda cada vez maior para este tipo de produto tanto em loja, quanto em canais digitais”, afirma.

Fonte: por Jornal O Povo, em 25.03.2019.

2019-04-02T21:38:48-03:0003/04/2019|Crédito&Cobrança|Nenhum Comentário
Translate »