A revolução logística chinesa que deixa a Amazon no chinelo

Gigantes do comércio asiático lideram um processo que mudou para sempre os hábitos de consumo da população:
do comércio eletrônico, ao cafezinho.
revolução logística

Fazer compras nos supermercados da rede Hema é tão fácil e rápido quanto pedir uma pizza. Usando o aplicativo de celular desenvolvido pela empresa, basta encher o seu carrinho e em no máximo meia hora o pedido está preparado e um mensageiro o leva à sua casa. O mesmo acontece com a comida em domicilio. Empresas desse setor, como Meituan e Ele.me, se popularizaram na Chinamuito antes do Glovo e Deliveroo, e seu volume de negócio faz empalidecer o de qualquer outra companhia.

Assim, não é de estranhar que ruas e estradas estejam tomadas por um enxame de caminhões, caminhonetes e bicicletas elétricas dedicadas à distribuição de todo tipo de produtos. A loucura do envio em domicilio é tal que a última moda é pedir um cafezinho pelo celular. O filão foi aberto pela Luckin Coffee, que busca competir com o Starbucks reduzindo ao mínimo o espaço de seus locais físicos e apostando na entrega em domicílio. No ano passado, vendeu 85 milhões de cafés para mais de 16 milhões de clientes. Em março, já contava com 2.370 estabelecimentos — cuja função é quase exclusivamente fazer os cafés e entregá-los — e pretende alcançar os 4.500 até o final ano. Se conseguir, terá superado o Starbucks, que até setembro do ano passado não oferecia serviço de entrega.

O modelo de negócio dessas empresas chinesas gera muitas dúvidas, porque a maioria está envolta numa concorrência fratricida que se reflete nos balanços, com avultados números vermelhos. É um fato que afugentou grandes multinacionais, como a Amazon, incapazes de abrirem caminho no campo minado que é o mercado chinês. Embora seja possível uma brutal consolidação, como a que varreu dezenas de empresas do setor das bicicletas compartilhadas, é evidente que esta guerra para captar clientes e o salto logístico (revolução logística) empreendido pela segunda maior potência mundial mudaram para sempre os hábitos de consumo da população chinesa.

Comprar pelo celular agora é o habitual. Sobretudo entre os jovens. Não só em plataformas locais de comércio eletrônico tipo Amazon, como Taobao ou JD, mas em comércios de todo tipo e tamanho. Tampouco é uma transformação exclusiva das grandes cidades, como acontece frequentemente no ocidente: a rede logística Cainiao, propriedade do Alibaba, já chega a 40.000 localidades. Em 2018, 50 bilhões de pacotes foram despachados na China, cifra que se espera que cresça para 71 bilhões no ano que vem. O Emarketer também prevê que em 2020 o comércio eletrônico na China alcance 2,5 trilhões de dólares, quase um trilhão a mais que a soma do resto do mundo.

O veículo autônomo de distribuição Neolix foi desenvolvido a partir da plataforma de código aberto Apollo, do Baidu, e já está em teste.

Esse cenário tem duas consequências relevantes: por um lado, um crescimento sem precedentes na demanda por armazéns, que no ano passado ocuparam mais de 50 milhões de metros quadrados e que se espera que em 2019 alcancem os 60 milhões; por outro, uma corrida tecnológica para automatizá-los e obter assim uma maior eficiência das operações. Há espaço para a melhora, porque o custo da logística na China é de 14,6% do PIB, quase o dobro dos 7,7% nos Estados Unidos.

A Suning, maior cadeia de comércio multicanal do gigante asiático, que no final do mês passado chamou a atenção ao adquirir 80% do Carrefour da China pelo equivalente a 2,6 bilhões de reais, é um bom exemplo de como o setor está se adaptando. Nasceu com grandes estabelecimentos físicos dedicados à venda de eletrodomésticos e aparelhos eletrônicos e já opera mais de 11.000 lojas, mas evoluiu para um modelo híbrido em que as vendas on-line têm cada vez mais peso. E para fomentá-las pôs em marcha um ambicioso projeto de adequação de sua infraestrutura logística.

O armazém Yuhua, em Nanquim, é uma das instalações mais modernas da empresa, e o objetivo é que dite os rumos para o resto. “Os custos operacionais na China, do imobiliário à mão de obra, aumentaram grandemente. Assim só podemos ser competitivos se incrementarmos a eficiência na mesma medida. Neste aspecto, a tecnologia é chave”, diz Xue Fanhai, subdiretor das instalações. A Suning não é a única aposta nos mais recentes avanços em inteligência artificial e automatização: um de seus principais concorrentes, a JD, acredita que com esses dois elementos pode absorver um aumento da demanda de até 10 vezes o volume atual. “Com a tecnologia atual, é muito difícil melhorar mais a eficiência”, afirmou Richard Liu, fundador da JD.

O armazém Yuhua da Suning emprega 400 pessoas, mas é difícil vê-las nos 200.000 metros quadrados de sua superfície. Em cada processo há apenas um ou dois trabalhadores. As demais tarefas são tocadas por robôs que sobem e descem e por esteiras automáticas que vão e vêm. “Com este sistema, que nós mesmos desenvolvemos, cada funcionário administra em torno de 1.200 produtos por hora. Dez vezes mais que com armazéns tradicionais. E quando a rede 5G entrar em funcionamento esperamos incrementar substancialmente essa cifra”, acrescenta Xue. Tudo isso, insiste, sem necessidade de que os trabalhadores percorram dezenas de quilômetros e façam jornadas extenuantes procurando pacotes.

Prefere não mencionar o concorrente pelo nome, mas Xue afirma que o armazém de Nanquim, capital da província de Jiangsu (leste) e terra do quartel-geral da Suning, é o maior da Ásia e um dos cinco maiores do mundo. “Podemos guardar até dois milhões de produtos e despachamos uma média de meio milhão por dia. Nosso recorde, no Dia dos Solteiros [a principal orgia consumista do ciberespaço chinês, a cada 11 de novembro], foi de 1,8 milhão”, afirma Xue, enquanto mostra as linhas automatizadas pelas quais os produtos correm. “Também é um dos mais avançados”, acrescenta.

Um sistema de leitores de códigos de barras vai separando os produtos em diferentes caixas equipadas com chips que guardam todos os dados dos pedidos. A maior parte dos produtos chega automaticamente até estas gavetas amarelas de plástico, mas há alguns que, por sua forma ou tamanho, precisam ser introduzidos manualmente. “Há quem critique que toda esta automatização destrói postos de trabalho, mas nós continuamos contratando gente para fazer frente à enorme demanda do comércio eletrônico. De fato, no armazém duplicamos a força de trabalho a cada ano”, informa Xue. Só neste ano, a Suning espera abrir 80.000 vagas. O passo seguinte, diz a empresa, será lançar a frota de veículos autônomos: já começou a experimentar com pequenas caminhonetes de distribuição que cobrem os últimos cinco quilômetros e com caminhões de 40 toneladas.

Fonte: por Zigo Aldama para Brasil – El País em 06.07.2019,

2019-07-09T13:30:11-03:0008/07/2019|China|Nenhum Comentário
Translate »