Ações de Cobrança

Sempre que tem alguma ferramenta nova de cobrança, as empresas se questionam se essa ferramenta vai ser o 'milagre para alavancar os resultados' de cobrança.

Antes a cobrança era feita porta a porta; com a chegada do telefone, houve uma migração para os escritórios, depois os discadores automáticos; aí, com a chegada do e-mail e SMS, a corrida para as ações massivas e mais recente os agentes virtuais.

Todos, no início, foram questionados com as mesmas dúvidas: isso pode substituir o ser humano? Qual a efetividade?

Nesse cenário, consegui observar que são criadas ferramentas para complementar o resultado; com as ações massivas, por exemplo, conseguimos atingir um público maior e os que retornam são aqueles clientes “mais fáceis” de negociar.

Já o discador, conseguiu dar escala aos atendimentos dos operadores: enquanto antes um operador atendia de 50 a 80 clientes dia, pois “perdia tempo” ao sair discando manualmente, hoje há operadores que chegam a atender 140 ligações/dia.

E sobre  os agentes virtuais, está bem claro que possui duas funções, uma é aumentar a produtividade do operador quando ele usado para localização do cliente.

Já os agentes virtuais de negociação, servem escalar os negócios para cenários que tem base grande de devedores e não conseguem acionar  a todos.

Na cobrança, assim como na vida, não existe fórmula mágica. Faz-se necessário entender o que está fazendo e tomar várias ações para chegar ao resultado.

Fonte: por Pedro Felipe , Account Manager Key Account na Akiva Software, para Linkedin em  18.05.2021. Crédito de imagem: Geralt (Pixabay)