O ano passado foi bastante movimentado para a economia brasileira. A tão discutida Reforma da Previdência saiu do papel e o cadastro positivo começa a dar os primeiros passos para que um dia possamos atingir nossa maturidade de crédito.

Mas, para entendermos quais são as principais tendências para o mercado de crédito neste ano, precisamos antes fazer uma breve retrospectiva de 2019.

A inadimplência teve destaque recorrente na imprensa, afinal cerca de 40% da população economicamente ativa está com o nome negativado.

E nesse cenário de crescente endividamento, destacamos que o cartão é há muitos anos o produto de crédito preferido de toda a população e que, em termos absolutos, representa hoje o maior volume de consumidores inadimplentes .

Sem sombra de dúvida,  é uma das formas de obter crédito mais fácil, rápido e sem comprovação de renda.

Um dos aspectos que contribuem para a inadimplência atual é uma medida que inicialmente tinha o objetivo de auxiliar o usuário do cartão de crédito.

A resolução 4.549/2017 mudou o rotativo, permitindo que ele fosse feito apenas por 30 dias, sendo necessário a oferta de um parcelamento do saldo após este período.

Porém, percebemos que isto mudou os saldos das carteiras em atraso. Se o rotativo por um lado gerava impacto no longo prazo pela alta taxa de juros, o efeito da oferta do parcelado gerou um impacto quase que imediato na consolidação da inadimplência.

Mas foi na Pessoa Jurídica que pudemos observar em 2019 o movimento mais comum em cenários de crise, que é a troca por linhas de crédito mais seguras.

Isso ocorreu desde o início da crise do governo Dilma e se manteve no ano de 2019: o Capital de Giro vem sendo substituído gradativamente por linhas de crédito com garantias como desconto de duplicatas ou antecipação de faturas de cartão de crédito.

E o que 2020 nos reserva? Para identificar as principais tendências, a FICO realizou uma pesquisa com mais de 80 executivos do mercado de risco, crédito e cobrança sobre suas expectativas para esse ano.

  • Com relação ao movimento da concessão de crédito, 59,8% dos entrevistados entendem que o mercado vai aumentar, seguindo a tendência percebida em 2019.
  • Após a paralisia de 2016, o mercado de crédito voltou a subir se mantendo constante a partir de 2017, empolgado com as perspectivas de mudanças no governo e no cenário econômico.
  • No caso da inadimplência o otimismo já não é tão grande, sendo que 61% entendem que ela vai se manter estável. E acredito que essa percepção existe por uma conjunção de fatores.
  • Enquanto indicadores do Banco Central mostram uma redução nesse quesito, os birôs de crédito revelam um recorde histórico de mais de 63 milhões de consumidores inadimplentes.
  • De fato, quando há retomada do crescimento da economia, o crédito vem sempre na frente da cobrança, que leva um tempo maior para demonstrar uma queda dos indicadores de inadimplência.
  • Temas como a evolução do cadastro positivo, a forte pressão por redução dos juros e as novas regras de provisionamento trazidas pela IFRS9 serão também fundamentais para o panorama do mercado de crédito em 2020.

Aguardamos ansiosamente as cenas dos próximos capítulos, sabendo que teremos um ano repleto de desafios e oportunidades para o mercado de crédito.

Fonte: por Eduardo Tambellini, em 04.02.2020, para o Portal Administradores.