Automações com RPA ou BPM, como utilizá-las da melhor forma?

Apesar de semelhantes, a RPA e o BPM são duas formas diferentes de automação e, portanto, cada uma delas possui objetivos diferentes.

BPM, sigla em inglês que significa Business Process Management, é um tipo de gerenciamento adaptável, que sistematiza e facilita os processos organizacionais das empresas.

O principal objetivo é levar informações da execução dos processos para que haja melhorias e, desse modo, auxiliar na tomada de decisões. A ideia é que o BPM deixe a infraestrutura do seu negócio mais “sólida”.

Já a RPA significa Robotic Process Automation, que também tem como objetivo fazer um gerenciamento adaptável, porém, é desenvolvido para ter eficácia e trabalha em nível de camada de apresentação, ou seja, telas de sistemas.

A ideia é que os robôs realizem processos como um humano faria, sendo mais rápido de implementar, com robustez e escalabilidade, e pronto para navegar (capturar e transacionar) sobre qualquer software e/ou plataforma.

Entenda um pouco mais sobre a RPA

A automação é um processo comum na maioria das empresas e o diferencial da RPA é que o robô consegue se adaptar as necessidades e as situações propostas. O robô pode ser evoluído e adaptado com base em um repositório de exceções que ocorrem no processamento das transações sobre os sistemas, para que assim possa trabalhar de forma cada vez mais eficaz, estendendo cada vez mais a cobertura da automação sobre o processo de negócio.

Por isso, a RPA está se tornando cada vez mais presente na automação dos processos em todo o mundo, por diminuir a atuação humana e, consequentemente, reduzir as chances de acidentes e erros, além de alocar melhor os recursos, gastar menos tempo para a solução de um problema, também realoca a equipe para atividades que geram mais resultados para a empresa.

Esse desempenho está diretamente relacionado a configuração dos robôs processadores dentro da plataforma RPA, que podem ser escalados sob medida para produzir mais, com maior assertividade e em menos tempo.

Entre os principais benefícios da RPA estão:

  • Entrega de demandas mais rápidas:Picos de demandas podem surgir de um dia para o outro e a agilidade é algo necessário em um mercado cada vez mais competitivo. Provisionar robôs com alguns cliques é muito mais simples do que alocar e treinar pessoas dentro de uma operação, gerenciando a produtividade destas com a pressão de SLA e qualidade;
  • Diminuição de erros: Por se tratar de um software programado (o robô), os erros humanos oriundos da distração, estresse etc, são eliminados;
  • Não é invasivo: Desde que as transações possam ser realizadas na camada de apresentação, não há necessidade de alterações nestes sistemas, a entrega pode ser ágil e sem riscos de desestabilizar um sistema que está em produção.
  • Workflow: Dentro da RPA as transações realizadas por robôs podem ser orquestradas e coordenadas por uma plataforma, que interligará as entradas e saídas entre um ou mais sistemas, através de eventos externos, internos ou agendamentos.
  • API: Aquela interface com um ou mais sistemas do legado, que não existe e demandaria um projeto de longo prazo, pode ser viabilizado rapidamente com a RPA.

 

BPM – entenda mais a fundo

Sendo uma abordagem de gerenciamento adaptável, ele objetiva trazer informações de como os processos são executados a nível organizacional para melhorar a tomada de decisões e a visão do negócio como um todo.

O BPM é muito utilizado pelas empresas por melhorar continuamente os processos, deixando-os mais eficientes, assertivos e com mais facilidade de adaptação quando comparado com aquelas cujo foco é a funcionalidade.

Por essa flexibilidade e sua aliança com a tecnologia, o BPM vem para ajudar a empresa a alcançar seus objetivos, graças a gestão e controle de métodos, técnicas analíticas, modelagem, publicação, otimização e controle de processos.

Entre os principais benefícios de se utilizar o BPM na organização estão:

  • Forte controle administrativo: Tempo, dinheiro, esforços e recursos são otimizados e há uma entrega mais eficiente dos produtos e serviços da empresa. O BPM facilita a visualização de gargalos e pontos de melhoria pelo mapeamento de processos que organiza todas as informações do processo.
  • Aumento dos lucros:Diretamente associado ao primeiro ponto. Quando há mais controle dos processos e uma redução de desperdícios, isso gera um aumento direto nos lucros.
  • Melhora na comunicação: Todas as informações são acessadas de modo fácil e ágil, assim como as funções são determinadas e claras. Isso elimina as queixas comuns como a falta de informação e comunicação entre os setores.

 

RPA como complemento do BPM

Ao realizar a automação das tarefas com robôs, a RPA pode complementar o BPM, que podem virar API e ser plugado no barramento do projeto BPM.

É possível utilizar a RPA para processos que anteriormente necessitavam de humanos para ser realizado,  mas estas transações agora também podem ser imaginadas em uma escala de processamento muito maior e com performance.

No entanto, em diversos momentos será necessário que o processo se transforme ao invés de ficar somente no nível de camada de apresentação (telas de sistemas), e é neste momento que o BPM mostra-se necessário.

Por outro lado, transformar as estruturas de um negócio necessita de um bom planejamento, já que eles precisam de muito desenvolvimento e um alto investimento. Neste contexto, a RPA torna-se mais adequado ao seu tipo de negócio

 

2017-12-14T10:51:27-03:0024/08/2017|Tecnologia|1 Comentário
Translate »