País de “decacórnios”: como a China cria startups inovadoras e bilionárias

China cria startups bilionárias

Sem tempo, irmão

  • Enquanto fala-se hoje em unicórnios de US$ 1 bi, China já fabrica startups de US$ 10 bi
  • UBTech pretende em cinco anos aproximar sociedade dos robôs, inclusive humanoides
  • Algoritmos do Ali Pay, do Alibaba, checam demografia, histórico de crédito e comportamento
  • Iniciativas como essas, que conquistam benefícios para todos, já são estimuladas no Brasil

Em qualquer espaço de debate sobre inovação, aqui no Brasil ou no exterior, logo aparece alguma referência ao Vale do Silício (EUA). Mas uma das premissas de inovação aberta é sair do senso comum –e esses endereços se tornaram um padrão dentro do setor que pensa “fora da caixa”.

Mais que tendências, é preciso encontrar referências do que efetivamente está sendo feito mundo afora. E foi justamente isso que buscamos ao reunir investidores e grandes empresas do Brasil para uma missão num dos maiores, mais diversos (e pouco explorados) ecossistemas internacionais: a China.

Entre visitas e trocas de conhecimento com executivos e C-Levels (cargos de chefia) que visitamos em mais de dez empresas de quatro cidades, o gigante global se revelou um verdadeiro parque de diversões do empreendedorismo tecnológico. Sem dúvidas, foi uma experiência impactante.

Enquanto falamos de geração de unicórnios, eles já fabricam as startups avaliadas em mais de US$ 10 bilhões –pudemos conhecer alguns desses “decacórnios”.

Nem sempre é fácil imaginar como as startups podem entrar nas nossas vidas e mudar tudo. Que tal uma tecnologia para realizar desbloqueio de pagamento, buscar por seu bichinho de estimação perdido, identificar o comportamento de motoristas e evitar acidentes ou até localizar criminosos nas ruas? É essa a solução da Megvii, startup chinesa avaliada em mais de US$ 4 bilhões e com cerca de 2.000 colaboradores que usa algoritmo de reconhecimento facial para diversas situações do dia a dia.

Já a UBTech, avaliada em mais de US$ 10 bilhões, pretende em cinco anos tornar familiar o convívio da sociedade com robôs, inclusive os humanoides (aqueles que reconhecem sentimentos, além de responder, entender e tocar). Muito em breve, acreditam eles, todos terão um robô para chamar de seu. Você pode não acreditar, mas Disney, Amazon e Tencent acompanham-na de perto.

Ficou impressionado? Então, veja os dados do grupo Alibaba, um conglomerado criado em 1999 que já conta com mais de 60 empresas e cresce exponencialmente para além das fronteiras. Começar por suas tecnologias proprietárias, por si só, já é incrível. Sua Big Data Cloud tem mais de 200 soluções em inteligência artificial que ajudam, por exemplo, cidades a tomar melhores decisões, como entender o melhor caminho para uma ambulância ou realizar uma evacuação, tudo por meio de uma análise de dados em tempo real.

Já o Ali Pay, um dos maiores meios de pagamento móveis do país, trabalha com mais de 10 milhões de comerciantes no mundo inteiro. Seus algoritmos realizam múltiplos pontos de análise –de demografia, capacidade de pagamento, histórico de crédito a comportamento.

Outra empresa do Grupo, o Hema (lê-se Emá), é uma marca de supermercado com mais de 100 lojas físicas que, além de realizar entregas prontas para consumo num raio de 3 km em 30 minutos, é capaz de providenciar todos os itens para uma receita, sem qualquer cobrança de taxa.

Para fechar, o Grupo Alibaba, que já mira investimentos ou aquisições de grandes empresas fora da China, realiza entregas em até 24 horas na China inteira e em até 72 horas para outros países. Isso é possível por meio de algoritmos desenvolvidos para logística, que indicam qual fornecedor consegue entregar mais rápido e qual a melhor rota para a entrega.

Assim como essas, existem muitas outras. Quem nunca ouviu falar em Baidu e WeChat?

Essas empresas estão direcionando, como a maior parte das maiores startups, a transformação da mentalidade e da forma de fazer negócios. Com números impressionantes, sempre na casa dos bilhões de dólares, e fila de investidores, elas contam com um diferencial: alinhamento e aceitabilidade da sociedade, além de apoio do setor público-privado.

Esse fenômeno é possível graças à preocupação de longo prazo de iniciativas que atuam de forma conjunta para conquistarem objetivos que vão beneficiar a todos. A integração entre os agentes responsáveis pela transformação cultural, que acontece de forma natural por lá, já é estimulada aqui no Brasil. Isso é um excelente sinal para nós, mas ainda falta muito para alcançarmos o patamar desejado. A sociedade precisa estar preparada para absorver e valorizar as soluções que são criadas.

Na China, a adaptação acontece desde a sala de aula, com a preocupação em formar anualmente mais 8 milhões de profissionais – destes, cerca de 2 milhões são desenvolvedores, função primordial no universo de inovação.

No Brasil, já percebemos, separadamente, iniciativas dos setores privado e público abrindo espaço para discussão e inserção dessa realidade. No Cubo Itaú, realizamos mais de seis eventos abertos diariamente para que a sociedade troque e se identifique com as novas questões do mercado, recebemos mais de 60 C-Levels de grandes empresas para que estimulem a transformação cultural entre seus times e aceitem de forma natural a troca com o empreendedorismo tecnológico, além de universidade e investidores. Tudo isso para fomentar cada vez mais essa realidade no país.

É um ciclo estratégico: empreendedores tecnológicos resolvem grandes problemas do mercado, atraem investidores, a sociedade absorve e vira cliente das soluções e a universidade atua como fonte intelectual para essas empresas que estão surgindo. É (também) uma questão cultural, que ultrapassa a tecnologia.

Não precisamos ser uma China para atingir esse patamar; precisamos de conscientização geral para mudar de estágio. Empresas, empreendedores, governo e população podem e devem caminhar juntos para construir o futuro.

Fonte: por Renata Zanuto* para Tilt – Uol, em 18.08.2019.

* head de ecossistema e startups do Cubo Itaú.

2019-08-18T20:32:25-03:0019/08/2019|China|Nenhum Comentário
Translate »