“E agora, devo ou não cobrar os clientes inadimplentes durante a crise?”

Essa é uma pergunta que vejo muitas pessoas fazendo, e que entra em um assunto bastante delicado principalmente neste momento.

Trabalhar a recuperação de crédito por si só já demanda alguns cuidados, quando se fala de um momento de crise mundial como o que estamos vivendo, este cuidado deve ser redobrado.

Entretanto, a sua empresa também precisa da receita, por isso, deixar de cobrar os clientes não é uma opção. Isso só precisa ser feito de acordo com o contexto.

Mais do que nunca, ter um time bem treinado para as objeções e argumentações necessárias é fundamental. Além disso, algo que não podemos esquecer é que o atendimento humanizado também fará toda a diferença: sua empresa precisa dar ouvidos e estender a mão, dentro do possível.

Empresas que souberem trabalhar da forma correta a recuperação de crédito, terão não só o valor devido de volta, como também a parceria com o cliente firmada, algo que é muito precioso, principalmente agora.

Em um treinamento interno, passamos para o time da Way Back a importância de entender que cada segmento precisa de uma estratégia, e que cada cliente precisa ser tratado de acordo com as suas peculiaridades. Afinal, o que funciona para o segmento de alimentos, pode não funcionar para o de confecção, por exemplo, já que esses passam por situações diferentes.

Outras técnicas aplicadas à recuperação de crédito também devem se manter e serem observadas de acordo com as mudanças necessárias, entre elas:

  • Régua de cobrança;
  • Manter o cliente ativo no sistema;
  • Preservar a carteira;
  • Usar a tecnologia em fases iniciais da régua;
  • Flexibilizar as negociações;
  • Contar com parceiros terceirizados para a cobrança.

Essa é uma fase de unir forças e apostar em ações para fidelizar os clientes, mesmo os inadimplentes.

E sua empresa, como tem trabalhado a recuperação de crédito durante a crise?

Fonte: por  Jefferson Frauches Viana, para o Linkedin em 21.05.2020.