O crescimento econômico na região da América Latina e Caribe (ALC) está sofrendo uma forte queda devido à crise da COVID-19 (Coronavírus), exigindo respostas de políticas em diversas frentes para apoiar os mais vulneráveis, evitar uma crise financeira e proteger os empregos, segundo um novo relatório do Banco Mundial.

Para ajudar os vulneráveis a enfrentar a perda de renda motivada pelo lockdown (fechamento das lojas e empresas não essenciais), os programas atuais de proteção e assistência social devem ser rapidamente ampliados e ter sua cobertura estendida, de acordo com “A Economia nos Tempos da COVID-19″ (original em inglês) o mais recente relatório semestral do Escritório do Economista Chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe.

Se preferirem  o relatório em portugês, ele está disponível ao lado em formato de e-book., agora disponível em português.

Ao mesmo tempo, os governos devem considerar apoiar as instituições do setor financeiro e as principais fontes de emprego.

O impacto da pandemia de Coronavírus nas economias da América Latina e do Caribe é sem precedentes.

Precisamos ajudar as pessoas a enfrentar esses enormes desafios e garantir que os mercados financeiros e os empregadores sobrevivam à tempestade,” afirmou Humberto López, Vice-Presidente Interino do Banco Mundial para a região da América Latina e Caribe. “Para tal, é preciso limitar os danos e lançar as bases para a recuperação o mais rapidamente possível.

O Grupo Banco Mundial está adotando ações amplas e rápidas para ajudar a fortalecer a resposta dos países em desenvolvimento à pandemia, aumentar a vigilância de doenças, melhorar as intervenções de saúde pública e ajudar o setor privado a continuar operando, preservando os empregos.

O Grupo distribuirá até US$ 160 bilhões em apoio financeiro nos próximos 15 meses para ajudar os países a proteger os pobres e vulneráveis, apoiar as empresas e fortalecer o processo de recuperação econômica.

* Devido à pandemia de COVID-19, as circunstâncias econômicas nos países e regiões passaram a oscilar, mudando diariamente. A análise do relatório baseia-se nos dados nacionais mais recentes disponíveis em 10 de abril de 2020.

Fonte: por comunicado à impresa por Banco Mundial em 12.04.2020