Despesas pequenas do dia a dia podem ser as grandes culpados por você ter aquela impressão de que o seu dinheiro simplesmente desaparece.

Quando você se depara com o seu orçamento e vê que há contas que não pode deixar de pagar, a tendência é pensar que elas são as grandes vilãs, mas nem sempre é assim!

As contas grandes, como o aluguel ou prestação do imóvel, ou aquelas que são obrigatórias, como energia elétrica, água, gás, internet etc., nós conseguimos enxergar e sabemos que não há como fugir.

Porém, as despesas pequenas do dia a dia, os chamados gastos arbitrários, nós não damos muita atenção e, por causa disso, eles podem ser os grandes culpados por você sentir aquela impressão que o seu dinheiro simplesmente desaparece.

É o filho que pede 5 reais, o lanche que você faz na rua e lá se vão mais R$ 15, o cafezinho nosso de cada dia que leva mais uns 3 ou 4, enfim… Só nessa brincadeirinha do nosso exemplo foram gastos mais de R$ 20 fácil, fácil.

Imagine que você gaste apenas R$ 5 por semana comendo alguma coisa na rua de segunda a sexta. Esse gasto seria o equivalente a apenas R$ 1 por dia, o que todo mundo considera bem pouco.

Só que além de comer na rua, digamos que você gaste mais R$ 20 por fim de semana para fazer um lanchinho especial em casa mesmo. Vai contando!

Então, vejamos o que você gastaria em uma semana:

Comidinhas na rua: R$ 5
Lanche de fim de semana: R$ 20
Dinheiro para o filho: R$ 14
Total: R$ 39

Agora vamos às contas a médio e longo prazo:

  • R$ 39 por semana somam R$ 156 por mês
  • R$ 156 por mês somam R$ 1.872 por ano
  • Em 3 anos, você teria gasto R$ 5.616
  • Em 5 anos, você teria gasto R$ 9.360
  • E em 10 anos, você teria gasto incríveis R$ 18.720!

A ideia de fazer esse tipo de conta não é que você pare de comer e não dê mais um tostão para o seu filho! O que você deve fazer é prestar mais atenção a esses gastos pequenos, pois, pouco a pouco, eles levam boa parte do seu dinheiro sem que você se dê conta.

A dica é que você anote todos os seus pequenos gastos do dia a dia e veja se eles não necessários, se você realmente precisa deles ou se tem gastado apenas por costume.

Se há gastos que não fazem mais sentido, economize neles e vá guardando esse dinheiro. Se você fizer isso daqui para frente, ao longo de um período poderá ter uma reserva bem interessante para poder realizar os seus desejos.

Então, mãos à obra!

Fonte: por Patrícia Lages para Conta com o Pan , no R7, em 02.12.2019.