Estatal angolana

A Sonangol, petrolífera estatal da Angola, está em processo de negociação com a Oi para comprar a participação de 25% da brasileira na Unitel, empresa de telecomunicações do país africano. A participação da Oi na empresa também é disputada por empresas privadas.

A Vidatel, holding controlada pela empresária angolana Isabel dos Santos (a mulher mais rica do continente africano), também conversou com a empresa brasileira a respeito da compra de sua participação na Unitel.

As informações sobre as negociações foram divulgadas pelo portal angolano “Expansão”.

Atualmente, a Unitel tem quatro acionistas, cada um com 25% da empresa. São eles: Oi, Sonangol, Isabel dos Santos e Leopoldino do Nascimento (general do exército angolano).O objetivo do governo angolano, de acordo com o portal “Expansão”, é que a estatal do petróleo assuma o controle majoritário da empresa de telecomunicações.

Valor de mercado da fatia na Unitel era de 494,3 milhões de euros (US$ 652,1 milhões) no final do ano passado, não incluindo recebíveis de 238,2 milhões euros.

O plano da Oi

A aprovação do novo marco das teles no Senado e a indicação de Rodrigo Abreu, ex-presidente da Tim, para o cargo de diretor operacional deram algum fôlego recente ao plano de recuperação judicial da Oi.

A lista [para venda] é longa e poderia captar cerca de R$ 6 a R$ 7 bilhões, o suficiente para reduzir o buraco no seu financiamento no exercício de 2020-21, mas até agora, a Oi não concluiu a venda de nenhum desses ativos”, diz o documento.

No topo da lista está a venda da participação na angolana Unitel. Em conversa recente com os investidores, a empresa se mostrou confiante de que a transação será realizada até o quarto trimestre deste ano. Segundo o BTG, a operação com a Unitel é estimada em cerca de R$ 4 bilhões, mas a Oi pode arrecadar até R$ 7 bilhões com venda de ativos, mas plano precisa avançar diz BTG.

Fonte: por Só Fatos, em 06.12.19.