Micro e pequenos empresários atendidos pela fintech Giro.Tech buscaram duas vezes mais
antecipar recebimentos no mês de março devido à Covid-19

Gráfico mostra alta nas antecipações de recebíveis em março na Giro.Tech

A Giro.Tech, fintech de antecipações de recebíveis com sede em Curitiba, registrou alta de 130% na procura por esta linha de crédito no mês de março. Foram antecipados mais de R$ 12 milhões para micro e pequenos fornecedores de grandes empresas, principalmente do setor agrícola.

Segundo o CEO da empresa, Ronaldo Campos de Oliveira, o crescimento deve-se ao fato dos empresários estarem buscando formas de manterem as atividades durante a pandemia do coronavírus.

O executivo ressalta que a taxa de juros aplicada para o fornecedor fica em torno de 1% a.m., geralmente abaixo das praticadas no mercado tradicional de desconto de duplicadas e factoring. Isso é possível através de uma modalidade de antecipação, na qual o risco de fraude é eliminado devido à fintech estar conectada no sistema da grande empresa que confirma a dívida.

“A grande empresa ’empresta’ seu risco de crédito para a empresa menor e assim as taxas são mantidas em seu mínimo. Esta é uma prática amplamente aplicada na Europa e vem se desenvolvendo rapidamente no Brasil. Agora deve se expandir ainda mais, com essa nova realidade criada pela pandemia do novo coronavírus”, indica.

Ronaldo explica que este modelo de antecipação de recebíveis contribui diretamente para a sustentabilidade econômica de todos: as empresas menores, por terem assegurado capital de giro no momento que mais precisam; as grandes corporações, que ao promoverem a antecipação contribuem para a sustentabilidade econômica da cadeia produtiva; além da sociedade, uma vez que atividades e empregos são mantidos.

“A antecipação financeira por fintech é uma forma solidária das grandes empresas atuarem em sua cadeia produtiva”, afirma o CEO da Giro.Tech.

Em síntese, a operação de antecipação de recebíveis ocorre da seguinte forma:

  1. As grandes corporações aderem ao programa de antecipação de recebíveis sem custo e conectam o seu “contas a pagar” à plataforma disponibilizada pela Fintech;
  2. As empresas menores (fornecedoras das grandes corporações) solicitam à Fintech contratada a antecipação de valores a receber;
  3. Após, uma instituição financeira realiza a antecipação acordada entre as empresas, por meio da gestão da Fintech.

Fonte: por Liliane Scaratti, Equipe de Jornalismo da Engenharia de Comunicação – Assessoria Giro.Tech, em abril de 2020