gerenciamento

Recentemente recebi um e-mail de um internauta que acessou por engano o nosso portal; pensava ele tratar-se de um site de esportes radicais. Entre muitas críticas e alguns elogios, ele comentava que os temas abordados eram chatos e finalizava perguntando “alguém lê isto?”. Sem dúvida, para quem procurava um pouco de adrenalina e outro tanto de aventura, deve ter sido decepcionante.

Minha primeira reação ao responder o e-mail foi a de tentar explicar a quem era destinado o portal e as razões dos temas ali abordados. Refletindo melhor, percebi que este tipo de resposta não seria suficiente para explicar a ele do que trata a gestão de risco. Resolvi então mudar a forma de explicar e colocar alguns aspectos do nosso cotidiano e fiz a ele algumas simples perguntas:

1. Quando você vai dormir, coloca em algum dispositivo, a hora que quer ser acordado?
2. Quando você sai de casa, se certifica que a porta está devidamente trancada?
3. Você tem seguro para o seu carro?
4. Ao dirigir para o trabalho ou escola, você se certifica que as portas estão travadas?
5. Você cuida para que as senhas da sua conta corrente e cartão de crédito fiquem protegidas?
6. Periodicamente você faz back-up do conteúdo do seu computador?
7. Em viagens você guarda seus documentos e valores no cofre do hotel?

Pois é, ao realizar estas atividades, você está fazendo, nada mais nada menos que gerenciamento de risco, para se prevenir de eventos não desejáveis que possam causar danos a si mesmo ou a outras pessoas.

Vamos ver também por outro ângulo…você deve ter acompanhado a tragédia de Brumadinho, o incêndio no Museu Nacional, a queda de uma ponte na Marginal Pinheiros, o desmoronamento de um prédio na Comunidade de Muzema e também o incêndio na Catedral de Notre Dame em Paris, entre outros. Será que estes fatos não poderiam ter sido evitados ou minimizados se tivessem sido aplicados alguns fundamentos básicos de gerenciamento de risco? Possivelmente sim.

De modo geral estes princípios são negligenciados por desconhecimento, alegação de custos elevados e pressa para a entrega de edificações, seja por aspectos eleitoreiros, questões contratuais, má fé e ganância ou lucro a qualquer preço.

O resultado todos sabemos; o balanço é negativo e a sociedade paga o preço destes desmandos.

Viu, meu caro leitor, falamos de gerenciamento de risco sem mencionar uma linha sequer sobre assuntos “chatos” como finanças, crédito, cobrança, fraudes, auditoria e controles internos. Imagine então neste universo! Quanto desperdício seria evitado, com claros ganhos para toda a sociedade.

Ah…voltando ao tema que tanto agrada ao leitor, o de esportes radicais, é impensável imaginar que qualquer esportista dessa modalidade não se certifique que está devidamente protegido antes de iniciar qualquer prática esportiva que o exponha a riscos não desejáveis.

O fato é que gerenciamento de risco é parte integrante de nossas vidas, quanto maior a nossa conscientização sobre a sua importância, menores serão as chances de ocorrências tristes como as que temos vivido nos últimos tempos e perdas que poderiam ser evitadas.

Fonte: por Jaime Enkim para portal Risco e Recompensa em 02.05.2019