Onde tudo começou … Ato 1

Abril de 1982. Eu trabalhava em uma multinacional de seguros, na verdade a maior seguradora do mundo. Onde o sol nunca se punha, uma vez que tínhamos presença física no mundo inteiro. Fazíamos parte de um seleto grupo de empresas  de classe mundial para a IBM.

Fui procurado por um grande amigo, meu ex-gerente em outra empresa de seguros. Nesse ponto é importante registrar que eu vinha de uma longa trajetória nesse segmento.

Ele me conta então que estava indo para uma Empresa de Cobrança, a maior do país, onde tudo precisava ser feito.  E TUDO era realmente tudo. Fazer um plano de informatização, alinhar esse plano com os objetivos da empresa, desenvolver soluções, montar equipe, contratar equipamentos.  Profissionalmente desafiador. Ele seria o Diretor de TI e eu o Gerente de TI. Eu seria a primeira pessoa contratada para compor a equipe.

Apesar de desafiadora, a proposta não me motivou. Fui visitar a empresa. A TI ficava em um prédio no cais do porto do Rio de Janeiro. A sede administrativa na Rua do Ouvidor com Rio Branco.

Mas eu tinha uma grande divida pessoal com meu amigo Nestor.

Resolvi aceitar.

Primeira surpresa: Nestor não assumiria a Diretoria de TI porque tinha descoberto em um exame de rotina uma doença, precisaria passar por uma operação e por um período de restabelecimento.

Iniciei minhas atividades e confesso que no terceiro dia me deu vontade de descer, ir tomar um café na Rio Branco e nunca mais voltar.

Tirinha publicada no site “Vida de Programador”

A desorganização era indescritível. E já era a maior do setor na época: 100.000 títulos em carteira. Processados em uma rede formada por um monte de PC com monitor fósforo verde.

Meu primeiro desafio foi pessoal. Eu tinha uma carreira técnica muito bem desenhada: Gerente de Desenvolvimento, Gerente de Projetos. Independente da nomenclatura, estava acostumado a resolver problemas técnicos. A partir de agora tinha que colocar o chapéu de Gerente de Departamento.

Escrevi o planejamento, alinhei o plano aos objetivos da empresa, evangelizei os sócios que passaram a acreditar em tecnologia como uma alavanca para o crescimento, montei uma equipe, selecionei os primeiros servidores e projetei, desenhei e escrevi o primeiro software de cobrança do Brasil.

Nestor nunca pode ocupar a Diretoria a ele reservada.  Os sócios pressionavam por uma solução e ele me indicou para ocupar a posição que seria dele.

Aqui nasce o Diretor de TI.  Que apesar do cargo, nunca se afastou das linhas de código e dos fluxos de processos.  Isso tudo aconteceu de 1982 a 1983.

Fim do primeiro ato. 

Por : Luciano Basile , para CollBusinessNews em 06.06.2018

CEO de i-Coll Soluções Integradas e CTO de Digitally Pay. Publisher de CollBusiness News.

 

2018-06-04T14:03:39-03:0006/06/2018|Crédito&Cobrança|Nenhum Comentário
Translate »