As crises, assim como as guerras, são períodos de grande inovação. Elas tiram as pessoas e as empresas de suas zonas de conforto.

Neste momento o que mais vemos são profetas do apocalipse para dizer que o fim está próximo. É o mais fácil. E aprofunda-se a síndrome de vitimização. Afinal o culpado pelos seus problemas, são os outros.

Tenho participado de inúmeros congressos setoriais, alguns como palestrantes, outros como ouvinte. O mesmo lenga lenga de sempre, porque a maior parte dos palestrantes tenta te vender uma solução milagrosa. Tipo assim … Se você tem este problema comprará está solução.

Algumas religiões também fazem dessa forma … Quando a verdadeira solução para pessoas e empresas, é a transformação, a melhoria continua. É fazer melhor hoje do que fez ontem. O passado só serve para isto … o que você fez ontem, se errou ou se acertou, foi ontem. O amanhã ainda não existe. Precisamos ser melhor hoje e agora, como seres humanos e como empresas. É o continuo aprendizado, medição, comparação, concentração, foco, combinando tudo isto em ações concretas no dia de hoje que permitem a nossa melhoria como pessoa, como empresário e como empresa.

Para onde vai a Indústria da Cobrança diante do cenário atual?

Com certeza vai se transformar. Não tenho dúvidas disto. Aquilo que conhecemos hoje como “Call Center de Cobrança” provavelmente vai evoluir para “Contact Center de Cobrança” com muito menos pessoas envolvidas, mas muita Inteligência embutida.  Muitos empregos de baixo salário, recuperadores de crédito ao telefone, mal remunerados, estressados, darão espaço a Agentes de Renegociação, treinados e capacitados para resolver de forma holística a vida financeira da pessoa que está contactando. Negociações taylorizadas darão lugar as negociações padronizadas, mesas de renegociação, iguais as mesas de concessão de crédito surgirão. Utopia? Não….DISRUPTURA.  A internet mudou tudo … e a revolução apenas começou. A Internet das coisas está aí batendo a nossa porta. Negócios tidos como ícones de uma época somem da noite para o dia (Kodak e a fotografia).

A Indústria de Turismo está mudando, quem precisa de um agente de viagem ainda? Poucos…

A Indústria de Televisão vai perder a guerra para o Netflix e outros serviços similares, assim como os taxistas já perderam para o UBER…

Os bancos sumirão do térreo. Irão para os andares de cima, e ocuparão no máximo uma sala. O cartão de crédito já está em processo de reinvenção.

Por que seria diferente com a Industria de Cobrança?

A roda está girando, a fila andando, e só os empresários de cobrança parecem não perceber ou não querem. Mas negar a realidade, não a modifica.

Sim, está crise vai mudar o seu negócio, e o meu também. Vai mudar a forma de vender e entregar serviços para esta Indústria. Consultoria, Treinamento e Capacitação  serão consumidos por estas empresas, para ajuda-las na mudança de rumos. Sobreviverão quem for mais rápido e adaptável ao novo cenário. É a velha e sempre nova lei de Darwin: sobreviverão os que tiverem algo para entregar….

Empresas de cobrança que continuarem a vender BHCV (Bunda, hora, cadeira e Voz) sumirão do mapa. Neste caso as menores tem mais chances de sobreviver, mas precisam ser criativas para isto.

As cartas estão na mesa … alguns irão as compras, outros blefarão … outros pagarão para ver … mas só quem tiver o coringa especial (conhecimento, capacitação) continuará a jogar. Não basta ter uma Ferrari na mão, é preciso saber pilota-la, ajusta-la para cada pista.

Para fazer isto, você precisará não só de um piloto bom, mas de um box excelente.

Fonte: por Luciano Basile FIlho para Linkedin, publicado  originalmente em 08.08.2015, atualizado em 23.09.2019 e continua atual.