Passos importantes para sair das dívidas e ter uma vida financeira saudável

Um grande passo para a organização pessoal é acreditar que você pode, a partir de orientações práticas e de fácil compreensão, ter uma vida financeira saudável.

Ainda que você esteja endividada, é totalmente possível reverter sua situação. Encontrará saídas pela mudança de hábitos e comportamentos que refletirão 100% nas suas atitudes.

Ao longo de minha experiência no atendimento às mulheres, por meio da educação financeira, percebi o quanto a falta desta, cria dificuldades em várias áreas da vida, comprometendo assim, a sua saúde mental.

À medida que a organização se consolida, áreas relevantes também são impactadas, dando assim, maior significado e fortalecimento às mudanças, que serão necessárias para a sua sustentabilidade.

Destacamos algumas áreas que serão impactadas positivamente:

Profissional: consegue manter o foco nas atividades diárias, pois deixar de receber ligações de credores durante o expediente, impede que situações, por exemplo, presenteísmo, baixa produtividade, deixem de prejudicar o desempenho profissional.

Relacionamento: começa a discutir com o companheiro a melhor maneira de organização, priorizando sonhos em conjunto, definindo ações e tomando decisões que aproximam o casal, beneficiando o relacionamento. Destaque especial para “deixar de esconder” as dívidas.

– Saúde: deixa de ter problemas de ordem física, por exemplo, dores de cabeça, taquicardia e estresse. Passa a refletir mais sobre as reais necessidades de consumo.

Quando é percebido os ganhos que a organização financeira possibilita, mais focada e interessada na sua realização a mulher fica criando a condição de realizar sonhos de curto, médio e longo prazo. Os sonhos têm a capacidade de motivar para a ação!

Para isso, uma das grandes conquistas é sair das dívidas, compreendendo que à medida que têm conhecimento para onde vai o seu dinheiro, pode tomar decisões mais assertivas.

Portanto, alguns passos iniciais são imprescindíveis nesta direção:

1. Anotar tudo o que gasta: ter a noção exata de tudo o que gasta, independente de pequenas despesas.

2. Abrir mão de consumir por um tempo: especialmente durante o período que está identificando para onde vai o seu dinheiro.

3. Definir sonhos de curto, médio e longo prazo: estes serão a mola ´propulsora e motivacional para fazer o que for necessário para organizar-se financeiramente.

4. Poupar para concretizar os sonhos: quando direcionado valores para os sonhos, ao saber o quanto custa, o tempo de sua realização e o quanto separará de seus rendimentos para eles, faz com que se aproxime do resultado desejado.

5. Priorizar compras com dinheiro: o poder de negociação é potencializado, especialmente em caso das dívidas.

6. Realizar compras conscientes: àquilo que é prioritário, sabendo dizer não para tudo àquilo que não aproxima à realização dos sonhos.

7. Mapear todas as dívidas: exigirá coragem, pois quanto mais soubermos o tamanho da situação, maior conhecimento do “remédio” a ser ministrado, para tanto, listarmos é um bom começo.

8. Receber orientação especializada: O educador financeiro estudará e identificará os comportamentos, hábitos e costumes. Ajudará a ir além da anotação, de registros, fazendo um diagnóstico preciso de ganhos e gastos. Ser educado financeiramente é compreender que o dinheiro é um meio para atingir objetivos.

Embora a situação não pareça nada fácil, é imprescindível estabelecer prioridades, analisar racionalmente cada despesa cortando excessos e supérfluos.

Quando identificadas as atitudes que levaram ao endividamento, torna-se totalmente possível reverter o estado atual.

Fonte: por Regina Alvares*, para CollBusiness News em 12.06.2018  

*Educadora e terapeuta financeira, coach, especialista em comportamento financeiro e profissional.

Skype: Regina Alvares

Instagram: regina_alvares

WhatsApp: (11) 97296-5265

2018-06-12T21:15:39-03:0012/06/2018|Gestão|Nenhum Comentário
Translate »