Parte dos investimentos no desenvolvimento, mais de US$ 21 milhões no total, foi aportado para
estabelecer um ambiente seguro principalmente para as transmissões ao vivo
Robusto sistema de segurança

Diversas reportagens publicadas no mundo todo sobre a invasão de hackers em reuniões fechadas de empresas, associações e organizações deixaram o mundo corporativo em alerta. A FanHero, empresa americana com brasileiros entre os sócios, que chegou ao Brasil em março com uma plataforma de transmissões ao vivo e exibições de vídeos (live streaming e video on demand), informa que as suas ferramentas não tiveram qualquer tipo de interrupção ou vulnerabilidade vivenciada pelos concorrentes.

A plataforma inovadora permite a distribuição de conteúdo digital com monetização por assinaturas, realização de treinamento, reuniões e eventos online para companhias, organizações e palestrantes. “Mesmo com o aumento em cerca de 200% na procura por nossas facilidades, por causa do Covid-19, que determinou ao mercado buscar soluções online, não registramos qualquer problema e ação de hackers”, informa a diretora Diana Cordeiro.

A executiva conta que a FanHero usa criptografia em todas as camadas de comunicação com diversos protocolos TLS, HTTPS, entre outros. “O HTTPS, por exemplo, um dos mais conhecidos pelos usuários, é bastante utilizado pelas instituições bancárias e está instituído em praticamente todos os navegadores. Com ele é possível consultar saldos, fazer transações bancárias, pagar contas de forma muito segura”, exemplifica Diana. “Já o TLS é o ‘cadeado’ que indica que a transmissão que chegou ao seu dispositivo é segura e ninguém pode interferir, alterando ou sequer espiando o que está sendo transmitido”, explica a executiva da FanHero.

A FanHero ainda desenvolveu dispositivos próprios e confidenciais que reforçam a segurança das transmissões e os dados trocados entre o emissor e os usuários. A plataforma pode conectar de forma segura até um milhão de pessoas ao mesmo tempo com a realização de congressos, simpósios e workshops ao vivo. Parte dos investimentos de US$ 21 milhões foi destinado para estabelecer um ambiente protegido para as transmissões.

A diretora Diana Cordeiro ainda explica que os serviços são hospedados em plataformas que mantém os servidores da companhia em versões seguras e oferecem uma camada de proteção como CDNs – Content Delivery Network – em português Rede de Distribuição de Conteúdo. O CDN é uma rede de servidores que armazena redundâncias de conteúdo para entregar aos usuários as informações com base na localização geográfica. “Com essa tecnologia conseguimos conectar o usuário ao servidor mais próximo e assim reduzir o tempo de transferência de dados oferecendo mais qualidade e segurança”, destaca a executiva. “Com o CDN é possível identificar e bloquear de imediato ataques de DDoS, muito usado por hackers para impedir o funcionamento dos sites com o envio de diversas solicitações para exceder a capacidade da rede e ‘derrubá-la’”.

Outro recurso utilizado é o Geofence, que identifica o endereço de IP da origem do acesso do usuário e passa a fazer uma conexão segura entre as duas partes – emissor e receptor. Ele dificulta a ação de agressores, normalmente, atuando fora do país do usuário. 

A plataforma da FanHero utiliza tecnologia HD Quality e OTT – over-the-top, de elevada qualidade e maior resolução, novidade em streaming, possibilita transmissões ao vivo que podem ser simultâneas e em vários canais – Multi-Streaming. O usuário também pode acessar o que está sendo armazenado mesmo durante as gerações ao vivo, assistir posteriormente ou ainda interromper uma exibição e retomar do ponto em que parou – Playback Progress. “As soluções podem ser customizadas conforme as necessidades dos clientes, sem qualquer prejuízo para a segurança da plataforma”, finaliza a diretora.