Quanto vale a sua atenção?

Quando eu e um amigo começamos a refletir sobre esse tema ontem, na mesma hora eu comecei a contabilizar minhas perdas por este motivo neste mês, das coisas mais obvias, claro: 4 sessões de acupuntura devido a um torcicolo (que está aqui agora mesmo aliás) devido a falta de atenção na postura ao reescrever minha palestra nova. Um grill elétrico Cuisinart (o grande, rs) porque passei na correria e coloquei na tomada vermelha… pois é; a vermelha, justo ela: queimou – perda total; aliás, porque esses aparelhos 110 não vem com algo tipo um “’disjuntor” contra falta de atenção? Em outra situação, fiquei encabulado em uma aula de Mindfulness porque a instrutora me fez uma pergunta sobre a questão de outro participante e… onde estava eu? E observe: era uma aula de Mindfulness – treinamento de atenção plena.

A quantidade de situações que passamos despercebidos de nós mesmos é imensa. No trabalho podemos imaginar quantos prejuízos podemos causar que nem sempre são medidos, por exemplo:  em uma reunião de prioridades onde nossa avaliação pode ser importante para o futuro da empresa e dos projetos, escolhemos aquele que conhecemos e estudamos de fato? E quantos projetos desses que priorizamos não estão parados na implantação ou mesmo engavetados. E quantos clientes já perdemos por isso ou quantas situações desconfortáveis criamos por não ouvir o outro ou reagir “sem pensar”?

Por isso eu considero a atenção plena em tudo que pensamos, sentimos e fazemos, a maior sabedoria do ser humano! A chave para evitarmos desperdícios e, sem desperdícios, o resultado vêm mais fácil e mais barato.

Perceber com clareza a imensa capacidade humana para que esse potencial de inteligência nata (natural) possa tomar decisões sábias e criar a todo momento aquilo que traz resultados de fato.

Nos seres humanos, por questões de sobrevivência, aprendemos a viver nos defendendo do mundo de fora (mental, emocional e fisicamente) e por isso acabamos que criando um amortecimento com relação às capacidades internas do nosso ser como um todo.

Se olhamos para nossas referências ou heróis muitas vezes os vemos como super-homens, mas de fato eles apenas superaram parte desta barreira que todos criamos.

Chega uma hora que a nossa necessidade de proteção para a sobrevivência deixa de ser “ a maior parte do nosso tempo “ (diferentemente de quando éramos bebês ou crianças) e podemos satisfazer outras necessidades humanas e expandir nosso potencial para realizações jamais imagináveis.

Quando estamos presos por esta camada de amortecimento (não parece isso mesmo? Estamos fora, sem conexão?) Perdemos a presença e as informações necessárias para escolhermos decidir de acordo com nossos propósitos e vivemos ainda no mais do mesmo, sem que este a mais faça diferença onde as necessidades já estão prioritariamente preenchidas.

Muitos projetos, métodos e negócios até estão atrasados porque não estamos atentos às mudanças do mercado e do mundo. Depois é só correria!

Esta percepção de que estamos desatentos dificilmente virá somente da nossa mente pois de fato ela própria é também a fonte do modelo mental instalado (como um “chip”) de sobrevivência (repito, mental emocional e física)!

Sim todos os conhecimentos do mundo afora continuam muito importantes e fundamentais (técnicas ferramentas inovações tecnologias metodologias nos campos da matemática ciências físicas humanas biológicas orgânicas geográficas etc.) para podermos evoluir individualmente coletivamente e até como “ raça “, porém somente elas não bastam.

Quantos projetos priorizados sua área de TI tem pendentes?

Provavelmente as oportunidades que existiam já se passaram.

Em um mundo de evolução exponencial, não se poder estar desatento! Quando você percebe…”ops” já não faz mais sentido.

E lá vem desperdício…de todas as reuniões, tempo, dinheiro, frustrações etc. não acontecem por esta simples razão nas empresas?

Um mundo em evolução exponencial precisa de atenção total.

Sem atenção não há criatividade, só riscos.

Deixamos de perceber, por estarmos desatentos, a nossa própria voz interna e com isso ainda prejudicamos nossos julgamentos e nossos entendimentos do que vemos fora, pois tudo que vem de fora passa por uma interpretação interior para ser colocada no mundo de volta.

Ou seja, sem a atenção devida, perdemos o potencial interno de inteligência e parte do externo mal interpretado pela mesma camada de amortecimento que funciona como uns óculos de vidro com visão bidirecional.

Não vendo dentro, distorcemos o que vem de fora. Esta camada de amortecimento acontece no pensar sentir e agir (mente energia/sentimentos/ emoções e corpo). Ao abrir este espaço de percepções dos 3 sentidos, a inteligência interior ganhamos percepção do que acontece fora. A união dos 2 conhecimentos pode promover mágicas em nossas vidas, às vezes o que chamamos por aí de milagre ou disrupção (no mundo dos negócios).

Saber o que precisa ser feito não é garantia de que faremos o que tem que ser feito.

Para fazer o que precisa ser feito significa estar atento a cada pequena decisão porque só elas constroem o sonho ou o propósito que tanto desejamos.

Tomar uma decisão consciente (e aos poucos, com a prática diária, isso se torna nas simples e ágil) é estar atento ao propósito que buscamos, à cultura a nossa volta, aos conhecimentos que precisamos e às habilidades necessárias para implantar essa decisão na prática.

Nossa vida, nossa carreira, nossos projetos, nossas alegrias crescem exponencialmente à medida que nos tornamos mais atentos…a tudo! No início pode parecer difícil, mas aos poucos é um grande prazer que nos presenteamos, pois em tudo há profundidade, em tudo há aprendizado e a possibilidade de aprendermos a nos interessarmos e sermos curiosos. A vida é curiosa, interessante e plena, não se deixe ficar no mínimo! A atenção te mostrará os ricos campos de experiências nunca jamais experimentados!

E tudo começa com a simples observação interna e atenção externa e a ferramenta pra isso é a força da respiração consciente. Aos estarmos atentos à nossa respiração abrimos para o ouvir atento.

Observe hoje mesmo como isto funciona. Ganhe poder ao respirar e perceber seus pensamentos, sentimentos e como você está atuando agora já! Faz sentido? Pra você? Pro seu cliente? Pra pessoa ao lado? Pro mundo?

Só respire sem julgar observe sem querer mudar nada, só perceba, tá tudo como tem que estar, e vai mudando aos poucos as escolhas que transformarão sua vida e seu trabalho!

Bom dia!

Eu A-Credito que as decisões mudam nossas vidas!

Fernando Manfio

Fonte:  para Collbusiness News em 23.08.2018

Translate »