Números da ROIT Consultoria e Contabilidade mostram como a automatização de processos
agiliza trâmites e foca gestão no planejamento e decisões estratégicas

A inteligência artificial na contabilidade é mais que tendência: é realidade. Mais ainda: é imprescindível à gestão das empresas. Quem apresenta um panorama da automatização dos procedimentos contábeis é o sócio-diretor da Startup curitibana ROIT Consultoria e Contabilidade, Lucas Ribeiro, que fala por experiência própria: mais de 60% do trabalho da ROIT já é feito por robôs.

Isso resulta em indicadores expressivos. Por exemplo, a marca de quase 2 milhões de lançamentos sem intervenção humana; mais de 500 mil linhas de códigos, doze servidores sendo utilizados, e mais de 300 mil lançamentos com sugestões de inteligência artificial para os analistas, para a tomada de decisões.

Assim, assinala Lucas Ribeiro, o trabalho de consultoria e contabilidade pode ser focado em planejamento e decisões estratégicas, concebidos por pessoas. Os trâmites que dispensam essa análise, e exigem tão somente checagens e cruzamento de dados e informações, podem – e devem – ser delegados à máquina, argumenta o especialista.

“Procedimentos que até então dependiam de checagem humana foram automatizados. Deixamos para o ser humano o que é mais complexo e isso agrega valor ao cliente. Nos permite tomar decisões muito mais estratégicas, o que exige pessoas que querem novos conhecimentos, inovadoras”, afirma o sócio-diretor da ROIT.

CENÁRIO

Com o cenário que se desenha para os próximos dez anos, cada vez mais as empresas brasileiras precisarão transformar sua contabilidade em um setor chave para a gestão do negócio. Ribeiro lembra que a reforma tributária (objeto de dois projetos em tramitação no Congresso Nacional) fará com que cerca de 4 milhões de empresas, hoje nos regimes Simples Nacional e Lucro Presumido, migrem para o Lucro Real, o que requererá delas nova atenção com a área contábil.

Será indispensável, assim, que os procedimentos de contabilidade sejam automatizados – para ganho de eficiência e para que haja foco no planejamento e ações estratégicas. O especialista ressalta que a inteligência artificial na área contábil vai muito além de contabilidade online – é a automatização e a tomada de decisões pela máquina – e que demanda menos investimentos do que pode supor o senso comum.

“O conceito de inteligência artificial não é novo, mas ela passa por um processo de amadurecimento e tornou-se viável economicamente, graças ao Google e a Amazon, principalmente”, explica o sócio-diretor da ROIT.

Fonte: por Liliane Scaratti, Equipe de Jornalismo da Engenharia de Comunicação – Assessoria ROIT, em 08 de novembro de 2019.