O mundo dos vinhos é cheio de detalhes e curiosidades. Seja pela qualidade, tipo e região de cultivo das uvas, da harmonizações com pratos ou mesmo pela grata experiência em saborear um bom vinho, não é preciso ser um enólogo para desfrutar desse mundo tão particular.

Um assunto que chama atenção de apreciadores de vinho ao entrar em uma adega com variadas opções é o formato da garrafa. Afinal, existe algum significado ou aplicação para garrafas de formatos diferentes?

Jonas Martins, sommelier e gerente comercial da MMV Importadora de Vinhos, explica o que está por trás do formato de cada garrafa.

“Muitas pessoas podem pensar que o formato da garrafa de vinho tem a ver com a sua conservação ou melhor forma de envasamento. A verdade é que a garrafa normalmente é relacionada com a região de origem das uvas”.

A garrafa mais comum é a Bordalesa. Ela é normalmente encontrada em vinhos MerlotCabernet Sauvignon e Sauvignon Blanc, cujas uvas são originárias da região de Bordeaux, no sudoeste da França. Possui um bojo longilíneo e uniforme que termina no ombro da garrafa, na divisão entre o corpo e gargalo.

Outro tipo de garrafa é a Borgonhesa, encontrada em vinhos da região de Borgonha, no norte da França, como o Chardonnay e Pinot Noir. A garrafa é alargada em sua base e vai se afunilando ao longo do seu bojo até o pescoço e gargalo da garrafa.

Na MMV, essa diferenciação pode ser observada na linha Felitche, vinhos de marca própria da importadora produzidos em parceria com uma vinícola chilena. O Felitche Merlot e Felitche Cabernet Sauvignon, por exemplo, são envasados em garrafas Bordalesas, enquanto o Felitche Chardonnay e o Felitche Pinot Noir, em garrafas Borgonhesas.

Jonas ressalta que existem também outros tipos de garrafas, sempre respeitando a região da origem das uvas, como a Renana, do Reno, a Champanhe e a garrafa do Porto.

Além disso, muitos produtores têm se atentado à estética da garrafa para chamar a atenção dos consumidores e alavancar as vendas.

“Existem muitos produtores que fogem do padrão justamente para dar uma evidência maior ao seu vinho na prateleira”, diz o sommelier.

A linha Inserata da MMV é um exemplo disso. Os vinhos são produzido em uma vinícola orgânica na Toscana, Itália, e trazem todo um conceito de produção e valor que inclusive é refletido nas garrafas. A garrafa do Inserrata Inusuale, por exemplo, se assemelha a uma garrafa de azeite, na busca dessa quebra de paradigma que a linha oferece.

Um fato curioso é o “tamanho” do buraco no fundo das garrafas. Existe um mito de que, quanto maior o furo, melhor o vinho, por conta de algum efeito de conservação mais apropriada. Jonas explica que isso é uma “meia verdade”. Tais garrafas são mais caras e logo os produtores normalmente envasam seus melhores vinhos nessas garrafas, porém não há nenhum efeito sobre a qualidade do vinho a não ser o estético.

Para acessar o portfolio de vinhos e conferir todas as garrafas citadas, acesse http://www.mmvinhos.com.br.

Fonte: por Jaíne, Equipe de Jornalismo da Engenharia de Comunicação – Assessoria MMV, em junho de 2020