Desde que a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) passou a valer, em maio de 1943, abriu-se um leque de oportunidades para empreender na área trabalhista. Por ser regulatória, a legislação trabalhista exige conformidade e, com isso, surgiu a necessidade de profissionais para auxiliar as empresas a evitarem autuações.

A partir de 2019, a demanda aumentou com os pequenos empregadores sendo obrigados a enviar os dados dos seus empregados ao Governo Federal através do eSocial. Dessa forma, auxiliar no envio das informações de forma correta e simplificar o dia a dia das empresas tornou-se mais um papel desses profissionais, que com o eSocial ganharam desafios, mas também muitas oportunidades.

Além disso, nos últimos anos, o Brasil foi contagiado pela febre do empreendedorismo mundial. Termos como startup, inovação, investidor-anjo, empresas exponenciais, mindset empreendedor, internet das coisas, e outros como valuation, ponto de equilíbrio, MPV (Produto Mínimo Viável, da sigla em inglês), empresas unicórnios – até isto existe – estão na boca de jovens ávidos por sucesso.

Bons exemplos de empresas que tiveram crescimento rápido e se tornaram bilionárias não faltam: Uber, Airbnb, iFood, só para citar algumas. Na área contábil, a Contabilizei e o Conta Azul também estão milionárias e são brasileiras. Então é possível ter sucesso na área trabalhista?

A resposta é sim. Em qualquer área, se os conceitos dessas empresas forem absorvidos. Não vamos tratar disso neste momento, pois o foco aqui é outro, mas uma das características marcantes de empresas e empreendedores que fazem a diferença no mundo – além do propósito para empreender –  é o de acreditar que as coisas podem mudar se houver perseverança e aprendizado com a experiência, principalmente quando tudo parece dar errado.

Vamos, agora, listar dez novos empreendimentos possíveis na área trabalhista e afins:

1. Empresa de treinamentos presenciais e/ou online
A área de educação é uma das que mais tem tendência a crescer, seja em tempos de crise ou de prosperidade. Devido à obrigatoriedade de entrega do eSocial, muitos colaboradores, tanto de grandes e médias empresas quanto os que atuam nos escritórios contábeis, buscam treinamentos com frequência.  E, mesmo que você não se identifique em dar aulas, há a possibilidade de contratar professores, que receberão pelas aulas ministradas/gravadas, além de uma porcentagem das vendas. Esta, aliás, é minha área de atuação. Sou professora e desde 2005, quando criei a Nith, ofereço treinamentos que ajudam a transformar a vida das pessoas.

2. Outsourcing em Departamento Pessoal
Por causa da complexidade da legislação e do eSocial, outro campo promissor é o da terceirização dos serviços (também chamada de BPO – Business Process Outsoursing ou simplesmente outsoursing) executados no Departamento Pessoal.  Empresas que fazem cadastro de pessoal, rescisão e rotinas como folha de pagamento, férias e décimo terceiro salário podem crescer neste nicho. Um exemplo é a Mainhardt Outsourcing.

3. Gestão trabalhista de empregados domésticos – Empresa ou App
Desde 2015, quando o eSocial passou a ser obrigatório para os empregadores domésticos, várias empresas foram abertas para fazer o controle dos direitos trabalhistas dos seus empregados domésticos. Atualmente, esse serviço pode ser prestado inclusive por aplicativo, com a maior parte dos serviços sendo feita de maneira automatizada. Um exemplo é a empresa Doméstica Legal.

4. Agência de trabalho temporário – Lei 6.019/74
Muitas empresas utilizam as agências de trabalho temporário para contratação de empregados que irão substituir colaboradores afastados por mais de três meses, como no caso das gestantes. A Gelre é uma das agências que oferecem esse tipo de serviço.

5. Empresa de terceirização de mão de obra
A fim de otimizar as contratações e focar em seu core business, várias empresas contratam mão de obra terceirizada nos serviços auxiliares e atividades-meio. Esta é uma função que não vai acabar tão cedo. Há inúmeros exemplos no mercado, como a Essence.

6. Revenda ou franquia de sistemas de gestão de pessoal e suporte ao cliente
Mais um negócio com tendência de crescimento. Todas as empresas precisam de sistemas para operar suas folhas de pagamento e cadastro de pessoas e as revendas ou franquias funcionam prestando suporte local aos usuários. Essa é a área da JBSoftware, por exemplo.

7. Consultoria de implantação e gestão do eSocial
A complexidade do eSocial é enorme e o mercado precisa de consultores de implantação e de gestão. Na Nith, já formamos vários alunos que se tornaram consultores e estão faturando alto com a necessidade do momento.

8. Empresa de auditoria e perícia trabalhista
Abrir uma empresa de auditoria e perícia na área trabalhista pode render bastante só com a expertise do profissional, pois por enquanto não é necessária uma formação específica para ajudar empresas a evitarem problemas ou, em caso de contencioso, atuar na área trabalhista. No livro Compliance tributário, apresento a auditoria trabalhista como forma de prevenção de passivo, que é uma das linhas para o trabalho nesta área.

9. Professor, palestrante ou instrutor na área trabalhista
Um professor pode ganhar muito bem compartilhando seus conhecimentos através de aulas em instituições de graduação ou pós-graduação, como a BSSP, por exemplo. Além disso, pode dar palestras por todo o país. Tratando sua carreira como negócio, sem deixar de manter o propósito, a tendência é ter rendimentos muito superiores à média nacional de pagamento a professores.

No livro Como ministrar palestras e treinamentos com sucesso (2009) e no treinamento “Professor S/A”, eu apresento o método 5Ps, onde mostro as cinco áreas nas quais o professor precisa se preparar, desde o seu posicionamento até como receber bem pelo seu trabalho. Várias instituições, inclusive a Nith, contratam professores parceiros.

10. Empresa de contratação de estagiários e aprendizes
Além do trabalho social que será proporcionar, muitas vezes, o primeiro emprego para jovens, há boas perspectivas nessa área de atuação, que não prevê mudanças na legislação para extinção dessas modalidades de entrada no mercado de trabalho. Para completar, várias empresas estão obrigadas à contratação de aprendizes e os estágios em muitos cursos são obrigatórios.

Esta lista é baseada em minha experiência e observação pessoal, e não há uma ordem de maior ou menor possibilidade de sucesso. Veja com qual se identifica mais, qual lhe trará mais alegria ao realizar e estude mais sobre ela. O intuito aqui é lançar a semente para que surjam novos empreendedores – que  realizem seu trabalho com ética e propósito para fazer diferença no mundo, ajudando empresas a entenderem melhor a área trabalhista e profissionais a atuarem no mercado de trabalho com seus direitos garantidos.

Fonte: por Zenaide Carvalho *  em 17.02.2020, para CollBusiness News.

*Zenaide Carvalho é professora da BSSP Centro Educacional. Empreendedora, fundou a Nith em 2005 – uma empresa de educação profissional online e presencial. Palestrante e desenvolvedora de conteúdos para treinamentos presenciais e online; consultora. É graduada em Administração e Ciências Contábeis e pós-graduada em Auditoria e Controladoria e em Psicologia da Propaganda e Marketing. Autora de diversos livros e criadora do Blog da Zê..